terça-feira, 10 de novembro de 2009

O Ácido


Porque mobilizas tantos pássaros à tua volta?
O que atrai as Lenas pra você?
O que exalas ao falar?
Qual feitiço cospes no ar?
Provocas o mundo.
Pra que queres o mais?
Nada o satisfaz?
Nem a vida?
Nada sacia essa sede do mundo?
É isso!
É essa deglução, que me dá tesão.
Que se ouriça ao meu redor.
Que queima.
Que destrói e corrói tudo a volta.
É o ácido.
Prefácio de vida...
O que me teme, que me prende,
É se terás mais oxigênio.
Vejo o teu cansaço,
e me desfaleço.
Por um simples compasso...
Nosso laço desfeito,
amarra agora meus pulsos.
E não escutar mais as suas sandices,
me incomoda, perturba,
consome, corrói.
O ácido.
O ácido.
Prefácio de amor...
Eu já conheço esse conto.
É dito em muitas bocas na praça.
E elas se alastram por trocados.
Eu não.
Eu quero que me transborde.

Um comentário:

Aline Fanju disse...

" eu quero que me transborde"
e que isso tudo te alague o peito e te mate a sede...e a dele,tb!