segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Caro comunista



Caro cidadão comunista,
Creio.
Conforta-se com o conto e confunde-se.
Cai em contradição.
Casa–se com colega consumista, e a
carapuça compra o coração.
Converte- se.
Caralho...
Cale-se!
Cria correntes,
cerca, circula, e a
criança cirandeia no céu.
Controlado constantemente,
Cúmplice, conivente...
Cadê a consciência?
Chega!
Caminha, companheiro, á casa...
Cresce cá a cobiça de comunhão.
Cheira compulsivamente o cangote...
Com corpos colados em conflito,
consigo capturá-lo com céleres clímaces contínuos.
Compreenda...
Cabeças congruentes
colorem cem casos de cama.

sábado, 8 de novembro de 2008

O Caçador



Meu cotidiano, de quando em vez, é simples, paranóico...
imprevisível , melancólico.
o Tudo ao redor fica sem gravidade.
Os olhos vêem com mais profundidade.
Mais molhados, mais borrados.
A vida engole a realidade.
Eu espero, pressinto,
Admiro os segundos do relógio e ...
sucinto!
Quando se permite intuir,
o Tudo ao redor fica mais à vontade
Você se torna imprescindível,
mesmo que isso não seja verdade.
Transforma-se em um caçador
Faz com que o acaso perca seu valor
Engraçado... Todos agora o chamam de senhor!

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Só o que me interessa


Às vezes fico impaciente,
me torno ríspida sem por quê.
O equilíbrio corre de mim.
Às vezes me dá preguiça.
Balbucio alfinetes...
me divirto com espumas de um humor sarcástico.
Às vezes me fortaleço fazendo bolhas de fumaça.
Faz passar o tempo...
colore o meu cinza.
Faz o caos se esvair em uma respirada forte e consciente.
Às vezes fico feliz com sobras.
Me torno auto suficiente,
brinco de ser gente.
Às vezes canso de ser guerreira,
quero só brincar de caçar palavras,
e gozar o destino.
Divertido. Fulgás.
Às vezes anseio por um futuro doce.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Resposta


Uma lembrança vaga me inspirou
E com ela um furacão incessável
me puxa pra dentro de um círculo inquebrável
Me faz resgatar um tempo que ainda não passou
...
Um cara me tratava decentemente
Sem máscaras, puro sabor
de inocência delicada
um sorriso de piá
e doce nas palavras.
Vestia digna conduta
trazia café na cama antes da labuta
Meu estímulo pro resto do dia
Tudo mais me sorria
....
Falta o olhar aveludar com a minha melodia
Falta a paz nos corpos
Falta me tremer os ossos
Falta o furor que você me trazia
...
Falta.
Tigresa

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Três Marias



Dois homens disputam Três Marias
Diante do lamento elas carregam suas guias
Eles se rendem e se encantam
Se deparam com o sôfrego e não cantam
Elas determinam o objetivo do gosto
Fazem seu pressuposto
Eles tem a facilidade como obstáculo
E elas buscam o oráculo
Eles se perdem no conto
E elas esquecem o ponto
Todos querem um nó,
um amor sincero de vó
Elas se afogam no pranto
E eles pensam tanto...
As Marias se unem em mim
Ao leste das minhas costas
O começo de uma história sem fim
E eles esperam respostas

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Esfriamento Emocional


Porque não vejo mais risos floridos?
Não sinto calores retribuídos?
Todos estão corrompidos!
O sorriso é reação em extinção.
O braço faz um laço e não corresponde ao abraço.
Por que brigam? Não se ligam....
Não se importa e fecha a porta??
Na cara de quem consome, de quem tem fome??
De quem ajuda, de quem cedo madruga?
Mundo impaciente...Diferente do que eu pensava como seria de lá pra frente.
Mundo que come gente!
Eu sinto falta do que nem lembro...
Sonho com 4 de setembro.
Minha memória é curta..
Me assusta.
Sinto falta de quando era esperada, acalentada, amada.
Do amor que hoje só ouço falar...

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Balão Mágico




Ando tão a pele e flor ultimamente que me sinto só na multidão. Só vejo dedos nervosos, mãos estendidas, rostos virados. Toda a beleza se parte e nada mais me diz. Eu não quero mais atravessar a rua e dar de cara com o lado. Não quero! Renego cópias. Quero bater de frente com o sopro dos quatro ventos. Conversar sobre destinos, rotas, caminhos. Esquentar minha bússola. Cansei. Prefiro subir a fogo e ferro rumo a Éres, Céres ou um planeta azul longínquo. Cheio de ventos novos, tão fortes que não precisam mover uma pá de moinho, para tornarem se gigantescos.
Eu quero subir um balão colorido de poesia e Inflá-lo com as minhas idéias mirabolantes fazendo pose de All Star. Quero me tornar próxima. Falar com a minha estrela guia, a sós, ao pé do ouvido, sussurrar meus desejos mais íntimos, e vê- La brilhar perante meus olhos. Quero sentir os cheiros da minha memória perdendo se em um precipício abaixo das minhas pernas e todos os vizinhos se tornarem distantes.
Desconectar do infecto.Me tornar imperatriz.Conquistar meu cetro e me sentir Elis.

domingo, 14 de setembro de 2008

Último Engodo


De longe vendo o deserto
O céu me diz estar incerto
Será que ele tem razão?
Porque não...
Eu torno tudo fantasioso.
Qual será o tempo?
No assento, me lembro,
ele sempre diz: Nunca quis!
Digo estar de acordo.
Ele acha a atitude certa.
Vem com churumela. Dá sebo nas canela
E eu finjo que decreto certo. Faço pose. Sou magrela.
Logo jogo meu engodo, dou dois de papo e prosa,
que eu quero ver se ele não se entrosa.

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Castelo Real





"Não devemos olhar através do outro , e sim existir por si mesmo"

Hoje estou agindo.
Desculpe se não tenho tempo para olhar-te. Não é egoísmo,
mas se as janelas não estiverem bem limpas, ninguém reparará no interior.
Não preciso mais que sua corda seja estendida, obrigada.
Já cataloguei objetivos.
Preciso cavar um buraco negro de sentimentos,
lustrar estrelas opacas, organizar alma, documentos.
O jardim já está semeado.
As árvores estão tão vivas... Robustas, largas,novas.
Os portões fechados.
Não posso permitir que ninguém entre com sapatos de hipocrisia
e suje o meu salão fantasioso.
Já comprei até minha cadeira de madeira rainha, estofada de veludo vermelho.
Linda! Sempre quis ter uma.
Agora vá.
Não esqueças de que quando eu voltar,
quero encontrar-te junto à todos em frente ao meu Castelo Real.
Beijos

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Cabeça de vento


É engraçado gostar de você.
Estranho, mas não me lembro de suas características em minhas exigências...
Parece que sou idiota! Esqueço de meus objetivos. Saio dos trilhos.
Louca! Perco a touca e faço excremento.
Saio no vento, sem agasalhos.Nem penso.
EU SEI que suas implicâncias não me fazem bem,
mas são elas que me fazem instigar você.
Aliás, você quer ser a Fortaleza dos meus crimes?
Se tornar meu cárcere privado?
Namorar pelado?... Impróprio?? O que você quiser.
Pode se tornar presente...Ou ausente...?
Se quiser, pode se tornar meu!
Sou a serpente à espera do bote perfeito.
Não há saída. Agora que cruzou meu caminho, está preso.
Exilado.
Raptado dentro da minha torre.
Quando puder subo aí.
Faço uma visita.
Pra matar a saudade. Faço o que me der vontade.
Mas sem encontro marcado. Até.

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Meu reino em tuas mãos


Diga o que quiser dizer, mas diga gentilmente.
Com doçura.
Me faça levitar. Alcançar o topo.
Me faça querer fazer de novo.
De verdade. Com vontade.
Me faça sentir o que não sentia há tempos.
Você podia brincar comigo de ser feliz, que tal?
Como nos meus sonhos,
onde você me trata como uma rainha.
Onde não me deparo com frustrações e nem reflexões.
Sou simplesmente EU.
E você gosta de mim assim.
Me admira. Me acha a mais linda do Condado.
Eu te hipnotizo com meu olhar de menina faceira.
Doida pra fazer uma besteira...
E como a gente se diverte.
É...Eu poderia ser a rainha dos seus contos de fadas...
Se você quisesse! Mas você não quer.
Quer se perder no seu mundo. No seu umbigo...
Diz o que quer dizer propagando em tudo o seu dissabor...
A realidade é que somos opostos.
Na sua cabeça não há reinados
e sim caminhos desconexos que se misturam com projeções modistas.
Eu só queria sentir o cheiro dos seu cabelos.
Olhar fundo e decifrar seus olhos de menino.
Ah se você realmente conhecesse o meu sabor,
iria virar dependente. E eu?
Procuraria outro rei.

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

John me persegue






Nosso encontro não foi à primeira vista. Nosso amor não foi na segunda visita. Você me pegou devagar. Leve.E foi se descobrindo aos poucos dentro de mim. E o doce dos seus lábios,sussurrou lentamente em meus pulsos.

Ei! Aonde você vai? Não é assim não. Eu tenho que te ter de perto. Téte a Téte.
Quando você apareceu na minha frente só consegui te admirar. Esqueci até de mim. E você quer ir? Por quê? O que eu faço?

Quando corri no meio da chuva e achei você, caminhando com as mãos no bolso naquela ponte, com a cabeça pro céu, fazendo à sua maneira, você tinha um brilho a sua volta, e ele  era verdadeiro. Intenso. Reluzente.

E isso não se dissipou. E me fez querer mais e mais. Overdose, síncopes de você...

Eu só queria escutar o som da sua melodia. Do seu gemido. Sentir seus lábios de menino. Sorriso de canto me pegando de Santo. Brincando debaixo do manto...

Ver você dirigindo devagar a minha vida me soa tão reconfortante...Suas mãos firmes no volante. Rolando forte na poeira que fica quando estamos unidos. Feroz, quente, deserto de almas únicas...

 Por quê? Por que John?

Arranca essas suas superstições e me pegue no chão. Só você me faz respirar apressada. Forte. Com um objetivo. Marcante. Que me traz esse meu sorriso. Essa placa na minha testa que todos dizem vê-la.

Eu não quero te observar por frestas. Quero bancar a sua. Brincar nua.
Você é tão bom pra mim, sabia? Nem sabe o quanto. Esquece. Esquece. Esquece mesmo! Esquece e me pega de jeito! Faz isso direito…

 Você realmente poderia ser perfeito.

Quando vejo você parece de verdade... Mas não, eu estou sozinha. Querendo bancar a sua. Fazendo jura. Eu vou te perseguir. Construir caminhos pra nos unir. Espera.

domingo, 3 de agosto de 2008

Clandestina de mim


O diário é meu espelho. Reflete meu ideal, e repele minhas rejeições dolorosas. Se não escrevo nele, não existe mais.Apago da minha memória. Não me enfrento.Me invento, viro vento. Clandestina de mim mesma.Vivo na ilegalidade do meu corpo criando a MINHA verdade psicológica. Crio um clã de destinos. Fujo dessa realidade podre, pobre, vazia, hipócrita, sem poesia. Dos pensamentos burgueses dos compre em dez vezes. Danem-se. Quero me alimentar de sonhos. O sonho invade a minha realidade como uma droga. Meu êxtase contínuo.Orgasmo múltiplo.Oxigênio.Estrogênio. Se priorizou como objetivo de vida. ELE é a minha vida. Minha arte. Que me inebria me consome. Eu ela somos uma só. Necessito, a todo o momento, estar conectada a ela. Não importa como. Seja criando a minha realidade ou vivendo a minha realidade criada. Ok... Sou uma clandestina da verdade.Eu escrevo para criar um mundo melhor, diferente. Transformo a realidade e a verdade que vejo na minha frente. Vocês podem me considerar louca, inconseqüente. Mas foi o modo que achei para não definhar eternamente.
Thaís Vaz

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Prisioneira de mim

Prisioneira de Mim

"O dia mente a cor da noite

e o diamante, a cor dos olhos

Os olhos mentem dia e noite a dor da gente"

trecho da música do Teatro Mágico

segunda-feira, 30 de junho de 2008

Tulipas Azuis

Hoje sonhei com um bosque de ilusões e neblina espessa. Caminhava sentindo o outono fender-se entre os meus dedos descalços e um arrepio constante em minhas costas, me traziam ora ansiedade, ora prazer. Minha visão era desfocada, guiada pela incerteza. Até a neblina se desintegrar em pequenos feixes de luz e cair em meus olhos, transformando se em lágrimas. Um oceano forma se a minha volta. Minha respiração fica inquieta, domina meus órgãos e me deixa dormente, meio demente.

Segui então por instinto árvores infinitas que atravessavam um céu prateado Até surgir uma imensa mão que me carregou sobre as águas. Fechei meus olhos e senti o vento fresco bater no meu rosto, uma linha invisível segurar o canto dos meus lábios e uma respiração mais forte preencher meus pulmões. Um verão inteiro passando por entre as minhas veias, e quando abro os olhos, sobrevoava um lindo mar de Tulipas Azuis.

Imersa nelas, não sentia cheiro de flores, só conseguia sentir o Teu cheiro. Ele me inebriava e todos os meus poros se enrijeciam. A mão se transformou em uma imenso guerreiro de pedra, como os MOAIS, à minha frente. E você surgiu... Por detraz dele... e caminhou na minha direção. Meu coração disparava, minhas pernas tremiam. Nossos opostos produzram forças atrativas. A proximidade dos nossos olhos sedentos uniam nossas bocas tão forte, que machuvam os meus lábios. Rélogios de Dali disparavam à nossa volta , sons de trovoadas seguidas produziam uma música intensa, Forte. Penetrante.

Ficando mais espaçadas a melodia tornou se doce, serena. Pássaros coloridos tocaram um piano vermelho e violinos foram regidos pelo vento.Você, me olhando fundo, pega minha mão delicadamente e junto ao seu corpo quente, dançamos no meio do Mar de Tulipas.

Depois desse sonho, finalmente descobri o que é o Azul.

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Uma mistura de sabores

" A ARTE DE VIVER É SIMPLESMENTE A ARTE DE CONVIVER...SIMPLESMENTE DISSE EU? MAS COMO É DIFÍCIL!"
Mário Quintana

Aff! Como eu amo Mário Quintana! Ele sempre me encontra quando preciso. Descobre um jeito de decifrar os meus sentimentos. Vem com suas filosofias certeiras, me dá um tapa bom,na cara. Daqueles de rodopiar o corpo inteiro.Tequila queimando por dentro com direito a chacoalhada no final. Aaaaaii... Sinto toda minha angústia evaporar.
Outra que acaba comigo é a Tracy Chapman... FDP! Hoje me deparei com "Smoke and Ashes"
Essa mulher sempre consegue dosar meu sorriso largo, apertado, com lágrimas.São poucas as que fazem isso... acho que só a Elis.Uma me acalenta com leveza e a outra me pega com força.

http://http://www.webletras.com.br/musica/tracy-chapman/smoke-and-ashes

Ah!
Falando Nisso...
fui ver um filme ontem "Onde andará Dulce Veiga?"do Guilherme de Almeida Prado, baseado no conto do Caio Fernando Abreu( quando vi isso no final entendi tuuuuuudo).Adoro a loucura do Caio. Achei que o filme tinha coisas muito bacanas.Repetições,ilusões.... O surrealismo sempre me entorpecendo.Bato palmas para a coragem desse diretor de transgredir com o cinema brasileiro.Já estou de saco cheio dessa mesmisse. Nem fiquei tão empolgada assim, com o Tropa. Já tinha entendido o recado no Cidade de Deus. Não "ungüento" mais violência gente!
Ah outra... Amei a coluna do Jabor na terça .
Iiiisso querido, escreva sempre sobre amor! POR FAVOR. Já estava com saudades disso. Nada do falso Jabor da internet. Clamamos por ti, original!
Por mim atuaria a vida inteira fazendo filmes seus.
To emotiva hoje né?Ah, é porque eu estou naqueles dias...
Um beijo no nariz
da ...

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Saudade

Guarda do Embaú

Saudade do teu cheiro, verdes campos.
Do gelo, azuis mares...
Saudade do calor, em acalantos,
Da serenidade destes lares

Saudade da risada franca,
Da corrida enamorada,
Pela disputa branca,
Na nossa imperial morada.

Saudade cinza do dia
Em que eu era uma,
E nos seus braços sem autonomia,
Descobri-me bruma!

Saudade do multifacetado.
Que em um ato me desorganiza.
Infame! Faço-te, sacramentado.
E a brisa se homogeneíza.

Saudade dos corpos santos,
Que em fagulhas incandescentes,
Evaporaram-se nos tempos,
E já não são mais existentes
...infelizmente


Bjo da Tha

terça-feira, 27 de maio de 2008

O SUPER ULTRA MEGA LANÇAMENTO DA SEMANA!!


Vivemos em um planeta lindo....Porque não aproveitar e ouvir o que ele tem para nos dizer, HEIN? Respirá-lo enquanto podemos.
Preservar nossas fontes revitalizantes, nossos mares, nossas florestas!
A Lagoa Rodrigo de Freitas esta aí! Na sua frente!LINDAAAA!
Porque poluí-la com suas incapazes decisões?
Em época de efeito estufa e terremotos, as reviravoltas da natureza nos fazem acordar do egocentrismo da "sociedade moderna"... Pra mim, moderno seria ter pensamentos inovadores e não destruídores. A tecnologia invadiu nossas vidas e arrancou nossos olhos. Enxergamos através das multifunções. É tanto Compre em 10 x, que somos sufocados por imagens e atitudes burguesas.
Em um país que é estruturalmente corrupto, e por isso o crescimento fica mais distante, o sentimento de inveja predomina e nasce um terrível monstrinho: a violência. O amor pelo outro, a pureza do olhar, que são instintivos nas crianças, desaparecem. Mães desatentas, desleixadas colocam seus filhos no mundo e depois não tem paciência para educá-las. Educam seus olhares com a ajuda da televisão e suas futilidades. Aí a criança cresce em um mundo sem imaginação né! Sem objetivos, sem focos, sem identidade. Alguém, já tem uma visão do mundo formada e lhe impõe facilmente... PRA QUÊ fazer força? Nascemos originais e morremos cópias. E nessa bola de neve de tragédias do mundo, as pessoas se tornam interesseiras, impacientes...
Porque uma pessoa não responde quando você dá um largo Bom dia?Finge que não ouve!!! Aff, isso me dá uma raiva!!

Se as nossas crianças fossem educadas desde cedo a terem respeito pelo outro, a amar as coisas e as pessoas, a ajudar sem ter que pedir nada em troca e a objetivar sentimentos... elas estariam mais propícias e abertas a evolução do ser. E eu não to falando de religião não hein gente! Porque pra mim, religião cada uma cria a sua e PONTO....
“O primeiro pecado da humanidade foi a fé: A primeira virtude foi a dúvida.” Do astronômico, genial, ilustre, Carl Sagan... Eu to falando é de uma cultura, que faça você transgredir. Que faça você, se tornar um Ser melhor pra VOCÊ mesmo, e inevitavelmente para o mundo que existe a sua volta.

A atenção na educação é o grande fortificante do caráter.

Ajuste-se a você primeiro, e não ao mundo. Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro acorda. Pouco importa qual é o último lançamento da Farm!!Somos todos Poeira Cósmica.O Buraco Negro é muito mais embaixo queridinha! Você vai morrer e a Terra vai continuar aqui BOMBANDO!

O Universo?Vai estar lá se expandindo...Outra do Iluminado, fabuloso, Carl:"O Universo não foi feito a medida do ser humano, mas tão pouco lhe é adverso: é lhe indiferente"
Ouviu colega??Você é insignificante
Se continuarmos produzindo energia cinética no planeta, a Natureza Mãe vai lá e BOOM transforma nossas moléculas, zera tudo e ensina, com um peteleco, de uma vez por todas, que somos um único Ser criado por... Ela..maravilhosa, indescritível,deslumbrante!
Se redescubra! Vamos sim fazer um novo grande Ser, mas agora! Uma sociedade única, regida por uma só música...
All you need is love! O Amor é o super ultra mega lançamento da semana!”
Aproveite também, a natureza é GRATÍS!

Ponto relacionado ao conto
Postei o link do documentário A história das coisas com a Annie Leonard.
É só o primeiro capítulo..mas lá no youtube tem o resto...
VEJA TODOS!! E adquira você também a SUA Consciência Cósmica!
As figuras são dos surrealistas Gonsalves e Remedios Vario.Postei também os links

Divirtam-se!
Beijos Thaa

domingo, 25 de maio de 2008

DESENCONTROS

Quando ela o viu a primeira vez, se apaixonou
Diante dele nada falou
Estremeceu, empalideceu
Enquanto isso o mundo girou, girou
E ela o esperou
Por várias noites seus olhos se alimentaram
E suas bocas, nada pronunciaram
Um dia, suas unhas o atacaram
E eles felizes, enfim, se juntaram
Até tudo virar pó
E tudo aquilo ser menor
Hoje, ela espera algo maior
e ele depende do inóspito pior

terça-feira, 20 de maio de 2008

A Procura de Brigitte





Em uma escola a campainha toca e é o fim de mais um dia de aula. As mães na porta ansiosas conversam entre si e esperam seus filhos. O portão se abre e a garotada corre. A busca pelo encontro de olhares começa. As mães tentam achar suas meninas dos olhos, através do som de suas crias. E estas, olham para céu no anseio de achar a Senhora de seu destino. Quando se encontram, gritos, beijos. As mães perguntam; Como foi seu dia, o que aprontaram?E as crianças contam em velocidades orbitantes suas vivências, e as pequenas mãos encontraram suas guias. Seladas elas vão para casa.
Brigitte,de tanto olhar pro céu se senta, foi esquecida. Com seu cadarço desamarrado, ela está sozinha, com as pernas tortas no meio-fio. De bico formado ela brinca com um graveto riscando o chão e espera... O abraço... O beijo forte estalado na bochecha... O colo... A mão que a carregará de volta pro seu porto seguro. Mas a sua mãe não chega. Os sons ficam mais distantes. Tudo fica deserto e o vazio se instala. Brigitte então, encolhida olha para o chão e encontra uma formiguinha indo ao encontro de seu pé, sozinha, carregando com dificuldade um “enorme” pedaço de folha. A formiga vira pra um lado, pro outro, e fica perdida em seu caminho. Tenta então subir pelo tênis de Brigitte, mas cai. A menina vendo seu sacrifício retira o obstáculo e a formiguinha segue seu caminho. Brigitte amarra o cadarço e sorri.
Mas logo depois lembra de sua situação e começa a sentir um aperto no peito, sua respiração fica mais contida e olhando para os lados ela vê a imensidão à sua volta e se sente só. Começa a pensar na formiga e percebe que a visão dela do mundo é muito maior que a sua. Será que ela também se sente só? Será que ela sente medo? Ou será que ela simplesmente busca sua comida, passa pelos obstáculos e volta para casa sem pensar em mais nada?
Brigitte se levanta e resolve voltar sozinha para casa. Decide ser sua própria guia. Viver novas aventuras, se tornar roteirista do seu destino. Começa então a correr sem parar. Imaginando estar com um pincel, ela desenha as imagens do seu novo caminho. Repara a beleza das árvores. Imensas, pesadas, que mesmo fincadas ao chão, voam. As folhas dançam conforme a música que o vento produz. Brigitte então pára, fecha os olhos e insere a trilha sonora do vento em sua mente. Abre os braços e rodando, ela respira as notas musicais da natureza. Seu corpo absorve toda a pureza. Ela cheira as plantas ao seu redor e sente o gosto do novo, o prazer do desconhecido. Tudo é tão intenso que ela se sente feliz e orgulhosa por estar sentindo aquilo sem ninguém para guiá-la.
Brigitte volta a caminhar e vê o mar paradinho calmo, com ondas pequenas. Tira a roupa e mergulha de olhos abertos vendo o verdinho no fundo e quando submerge se sente renovada, agradecida. É só nisso que ela pensa: Obrigada!Obrigada! Boiando ela olha para o céu, limpo!Um azul! Como pode ser tão uniformemente azul? Ela brinca de jogar a água de um lado para o outro com as mãos e sente o Sol, aquecê-la, como se estivesse no colo de sua mãe. Ansiosa ela sai rápido da água e sentindo a areia fofa entre seus dedos, ela espera a luz carregar as gotículas do seu corpo. Sente o Sol levá-las, mas não sabe pra onde vão... Bom, isso não importa para Brigitte agora, porque o que ela quer é se alimentar do Tudo para não sentir o Nada.
E enquanto ela veste sua roupa uma velhinha se aproxima e diz:
-Muito bem! Muito bem!
Brigitte sorri
-Muito bem,são poucas as meninas que fazem isso.
A menina fica encafifada se perguntando como a velhinha sabe?E a velhinha volta para o seu grupo que possui enfermeiras que as abraçam, coisa difícil de ver em uma sociedade que maltrata velhinhos.
Ela então segue cantando, imersa de sensações. Chegando em casa, sua mãe aos prantos, preocupada, corre ao seu encontro, se ajoelha e a abraça forte. Falando sem parar ela pergunta onde a menina estava e Brigitte, serena responde:

- Eu conheci Deus mamãe!



Uma atriz chamada Thaís

"Podemos ser vários em um só, porque há várias histórias dentro de nós. E em cada história da vida fui única e nessa história todos somos UM."



Hoje uno todas essas "Thaís" para poder sobreviver do que tanto amo: ATUAR Uma arte difícil de prosseguir ,mas que sigo com muita perseverança. Comecei fazendo faculdade de teatro tv e cinema na UniverCidade, depois fiz mais alguns cursos e vou assim, trabalhando, estudando e me virando. Atualmente faço dois cursos: Produção cultural e roteiro. Confesso que o de roteiro, com David França,está me instigando mais. E por isso criei esse blog, para exercitar a minha imaginação e como já dizia Anaïs Nin "A escrita é a droga da imaginação." OK vamos nos drogarrrrr.
Meu objetivo aqui é um reconhecimento do meu próprio 'eu', que compartilho aqui sem nenhum pudor. Sou apenas uma aprendiz da vida em meio a tantos que buscam o seu lugar aos Sol.

Falando nisso...

Vi um documentário do João Jardim chamado Janela da Alma e ele fala da visão de cada um sobre mundo E é exatamente isso que Conto um Ponto vai ser:a janela da minha alma.

Bom é isso, ai vai um textinho...

"Os meus valores mudam a todo o momento.Quer dizer o valor dos valores.A importância que dou ao meu profundo desejo de obter o meu valor hoje, não será maior do valor que eu quero do amanhã.

Hoje vivo uma confusão do valor de hoje, que chego a conclusão de que não adianta dar importância a nenhum valor e sim dar importância ao tempo.E dar importância ao tempo é viver o agora,viver o hoje, deixar a vida tomar as rédeas do meu caminho.Seria não dar importância ao que quero hoje, e sim ao que sou hoje, o que fui até aqui.E sempre fui muito digna e honesta comigo e com os meus "valores". Dou importância a minha luta, aos meus amores, por mais que alguns não mereçam...quer dizer merecem,pois estes são minutos do meu hoje. Hoje sou produtora da minha vida, roteirista do meu destino, cozinheira do meu prazer, aprendiz de atriz, observadora do mundo e crítica de "mim”...sem querer rotular nada! "
Beijos Thaís Vaz

*Essa imagem é um quadro do René Magritte um pintor belga surrealista. O surrealismo é a expressão artística que mais mexe comigo Eu AMOOO Vou sempre postar aqui.