segunda-feira, 1 de abril de 2013

Sobre Um primeiro de Abril



  A verdade protege mas afasta...
   A mentira aproxima mas fere... 
O que eu prefiro? 
O silencio que esclarece, e o tempo que traz sem pedir.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Seu Manoel e Seu Ditado

Humildade...
Cria facilidade.
Há quem diga o contrário.
Ok. A gente respeita, mas EU nao dou gorjeta.
Que  que há? É papo de bar,mas não esquecemos que um dia podes precisar.
 É por isso que eu sempre digo...
Não. Não digo nada.
Pra bom entendedor,um silêncio basta.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Joåo e Maria


Maria foi a primeira feminista.
Mulher sofrida da história.
Que carregou uma glória
E era desprezada injustamente.
A injustiça é um questionamento que permeia no pensamento das feministas.
Esse é um dos estopins de suas ações.
A divagação sobre o direito.
Sobre o respeito.
Ter sossego de alma...
Eu tenho me questionado sobre isso muitas vezes...

Há momentos em que as pessoas me sabotam.
Na maioria, meus consideráveis amigos...
Os de respeito, que EU respeito!
Que  acho sujeito. Pertencentes do meu meio.
De amor... De troca. De sempre resposta.
De porta aberta.De vem que a hora está sempre certa...

terça-feira, 22 de novembro de 2011

A soma das coisas.

CHAGALL


Com espírito vadio, corpo vazio, perambulava, sem dente, esses da frente.
Dizia que era gente decente, mas era descrente... de todos os serviços.

- É... ossos do ofício. Trabalhar pra quê? Meu espírito é livre.
Quero viver de amor, de poesia.
Conquistar o sorriso de uma menina.
Um sorriso com todos os dentes.
Até os da frente.
E os dela são até um pouco pretuberantes...
O que foi?
Não é porque eu sou vagabundo que eu sou burro.
Eu falo tudo. Até o que pra você, não devia.
O dinheiro não traz sensibilidade, inteligência...
A liberdade sim, te dá o mundo, sem cobrar nada.
O amor incondicional dá isso.
E eu amo incondicionalmente aquela dentuça.

sábado, 19 de novembro de 2011

A Segunda

Michael Maier



Sabe, aquela sensação de que não ganhou o primeiro pedaço. De que não ficou com a melhor parte. Não chegou em primeiro lugar. Não ganhou o primeiro olhar. Não recebeu o  primeiro par. Então. Sinto falta...Não disso.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Esse menino

E ele sempre me diverte
sempre brilha
sempre me transborda
sempre retorna. 
Mas desta vez... 
me deu um pouco mais de alma.
E eu fui feliz
por meia hora.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Esquinas


-  MUITO DOIDO...
- ISSO.
- TUDO.
- VOCÊ.
- EU.
- A GENTE.
- SENTE?
- COISAS...
- NEM SEI DIZER.
- FAZEMOS...
- USAMOS...
- BEBEMOS...
- NOS CONSUMIMOS.
- COM MIMOS!
- ILUSÕES.
- ENGANOS.
- PLANOS.
- PERGUNTAS.
-...
- SEM RESPOSTAS...
- PROVAS.
- DEGUSTAÇÕES.
- UM BRINDE!
- ESSE FIM DE..
- NÃO IMPORTA!
- NOS ESBARRAMOS...
- QUEM SABE?!
- QUEM SOMOS?
- NOS VEMOS.
- SABEMOS.
- ATÉ OUVIMOS DIZER.
- ATÉ QUEREMOS... SABER.
- ATÉ QUERERMOS, ESQUECER...
- DE NOVO?
- E DE NOVO...
- E DE NOO.
- Ô VÍCIO!
- MUITO DOIDO...
- ESSE VÍCIO...
- ESSE VI
- VC.
- i!

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Desquite


Quero somas, 
camas,
 tramas.   
Promessas, 
esperanças,
   lembranças  exaustivas.           
  Trocas,  
  cem  vergonhas.   
 ..fronhas...  
destinos desquitados,   
       lustres,        
   sem deslumbres.     
   Ilustres.        
    Tudo modificado,
rompantes incessantes,
ajustes,
semelhantes...
Distante 
...ou...
livres.
Felizes...
Enfim,
somos.
Seremos,
nos teremos.
Nos venenos,
aos extremos,
sem desquite.
Me faz rir até domingo,
que te faço homem até na segunda.

domingo, 22 de maio de 2011

Passando...


Feito brasa
Feito brisa
Nada diz respeito
Ninguém te conta direito
Mas toda causa teve efeito
Não to falando nada
E dizendo tudo
Não não é papo de maluco
Nem to jogando sujo
O tempo e o rato
Ele passando
Passando
E levando
E o abajour que não comprei
E as férias que não me dei
De mim
Assim
Fiz assimassim
Um
.

terça-feira, 5 de abril de 2011

...

Os pés, os mostram, quem és 
Os cotovelos, quanto duro está.
As mãos,o que terás
E a mente, o que será.

domingo, 2 de janeiro de 2011

Destroços

Eu quero acreditar que todo o seu amor não se perdeu
Que você não me esqueceu
Que você ainda me pediria pra ficar
Que você iria me buscar
Que me ditaria regras
Cantaria músicas bregas
Que por mim venderia a alma
Que me traria  calma
Encontraríamos,juntos, a paciência.
A coerência...
Você ainda respira no meu peito?
Ainda me pega desse jeito?
Não.
Não me queres com veemência
Não me tira pra dançar, não troca um olhar
Não me pede pra ficar
Não me pede pra ficar
Também nem queria
Deixa como está
Meu destino não tem a sua estamparia
Você nem falava a minha língua
Se enrolávamos em retalhos,
Eram montados,
Desarrumados...
E Pra complicar,
Seu espelho tá trincado.
Não era a vez.
Não somos .
Não seremos.
Não nos vemos.
Um brinde ao
Como vai você?

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Seu troco, Seu Porco.

Eu disse que era pouco
E você ainda queria me dar troco.
A troco de nada.
De coisa... tá...de algumas.
Eu deixei você me levar,
Me colocar em um pedestal
E quando descobriu o espelho,
Quis fugir?!
Descobriu meus erros...
Tá... desculpe.
Não pude contê-los.
Tá... frio aqui...
Você não está vendo?
Estão todos despidos
Desprovidos de sentidos
Cegos pela “moralidade”
Em busca da rotatividade
O descartável é o hit.
Tá...
A Maria bonita poderia estar em seu assento.
Nesse momento.
Corra, corra.
Não perca seu tempo.
A vida é curta.
É o que eles dizem...
E assim vão desfazendo suas raízes.
Seguindo suas diretrizes...
Ou meretrizes...
Tá frio aqui!

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Desencontrados

O ponteiro continuou a girar.
Ela, no meio de tantas funções, esqueceu de uma:
Ser Mulher.
Foi quando o amor pediu pra esperar...

Ele não deixa. Não quer. 
Ela pulsa. Sente,
doa uma delas...

Ele não pára. Não vê, 
pulsa. tic tac tic tac

Ela senta novamente.
Ele ocupa a mente
E o ponteiro?
Esse, nunca pára.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Trem das três



Seguir... Seguir...
E quando a força não vem?
E quando a vontade não é suficiente?
Eu tentava em vão ser alguém.
Tentava provar que existia.
Mas esse corpo hoje só vaga
e espera pela despedida

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Relógio Desajustado



Relógio do coração desajustado.

Acorda na hora errada.

Entrega-se para nada. 

Se permitido fosse regular,

adiantaria a sua chegada.



quarta-feira, 12 de maio de 2010

E se minha rima fosse essa...



Tudo poderia ficar assim:
Eu te reencontrando, 
te atropelando.
Você me sugando.
Tudo de verdade.
Com intensidade.
Sem meias,
nem pares.
Só seu retrato aqui.
Desmistificando tudo.
Recolhendo fundos.
Desmembrando meu mundo.
Poderia ficar assim...
E se tudo fosse nada?
Se não tivesse me encontrado?
Se não tivesse se espalhado?
Nada mudaria?
Nunca fui nada,
sem você ter passado por essa estrada.
Sem você ter feito daqui sua morada.
Se minha rima fosse essa...
Seria pobre.
Cinza.
Esfumaçada.
Desvairada.
Por mais que lutemos,
nossos opostos se atraem.
Você  pode até fugir...
Mas...me deixa só descobrir...
Se eu não deveria estar aqui?
Por um...
Fecha os olhos...

domingo, 4 de abril de 2010

Vida que passa



Tanto tempo...
Tanto pra dizer.
Tanto por dizer.
Tantos pormenores.
 A vida sempre toma o rumo do aperto.
Segue o seco.
Segue.
Tanto tempo...
Até quando ela me renega
Até quando vivo na miséria
Por que me toma?
Acha pouco?
Então senta aqui no meu conforto
Sinta o olhar torto
Tanto tempo...
Hoje tomo a decisão.
Me  caso por ocasião.
Ela me escolheu,
e eu só a utilizo como diversão.
Tanto tempo...
Hoje meu coração andou apertado.
Parece que Ele mandou seu recado.
Minha vida parece um disco riscado.
Queria amar mais.
Será que não amo demais?
Contraditório racional.
Tanto tempo...
Ando carente.
A mente não deixa andar pra frente.
Cansada dessa luta.
A vida sabe ser dura.
E eu fico fazendo jura.
Esqueço da amargura.
 Tanto tempo...
E eu não cumpri com o prazo.
Fica sempre incompleto.
Como esse verso riscado.

segunda-feira, 22 de março de 2010

Santo esquecimento!


Eu gosto de tudo que você é em mim.
E tudo que você brinca de ser aí, não me convém.

Acho feio.
Falsos romances de esquina.
Fica sempre no meio!
Se não queria a Colombina,
então porque veio?
Acho ruim esse freio...

Cantarola seu quebranto,
cultiva o desencanto,
colhe amores azedos,
e depois diz que é Santo!?

Dá um tempo que eu to sem?
Não tenho paciência pra desdém.
Meu amor é distribuído,
tem até sapo engolido
mas nem por isso, você vem que tem.

É tudo muito colorido,
mas não é assim também.
Deixas meu coração dolorido,
brinca de vai e vem...
Acha minha gentileza exclusiva?
Não, não. Ela é abusiva!
E se transforma rapidamente
Depende de como é recebida.

Não utilizo malefícios,
nem lhe desejo enguiço.
Só acho desperdício
todos esses artifícios.

Os meus? São gotas de antídotos.
Não ficam poluindo,
e nem diluindo.
Não espalham  vermífugos.

Julgo mesmo,seus silêncios.
Os acho mesquinhos.
Poderiam ser reaproveitados...
E todas aquelas peles borradas, cheiros mesclados?
Todos fictícios? Todos roubados?

Te propus uma mamata
mas queres viver como sociopata...
Eu cidadã do mundo
me transformo então em autocrata
e fico tão esquecida de tudo...
que nem me recordo o Santo desta piada.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Diário de uma Assassina

 

Eu mato a saudade nos meus sonhos

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Dou um laço

 
Mas e se o medo do dever cumprido ficar comprido?
O quê que eu faço?
Dou um laço!

Por Debaixo Da Rima

 

Posso fazer três rimas diferentes;
A minha
A Sua 
e anossa.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

O Ácido


Porque mobilizas tantos pássaros à tua volta?
O que atrai as Lenas pra você?
O que exalas ao falar?
Qual feitiço cospes no ar?
Provocas o mundo.
Pra que queres o mais?
Nada o satisfaz?
Nem a vida?
Nada sacia essa sede do mundo?
É isso!
É essa deglução, que me dá tesão.
Que se ouriça ao meu redor.
Que queima.
Que destrói e corrói tudo a volta.
É o ácido.
Prefácio de vida...
O que me teme, que me prende,
É se terás mais oxigênio.
Vejo o teu cansaço,
e me desfaleço.
Por um simples compasso...
Nosso laço desfeito,
amarra agora meus pulsos.
E não escutar mais as suas sandices,
me incomoda, perturba,
consome, corrói.
O ácido.
O ácido.
Prefácio de amor...
Eu já conheço esse conto.
É dito em muitas bocas na praça.
E elas se alastram por trocados.
Eu não.
Eu quero que me transborde.

domingo, 6 de setembro de 2009

Orla de Setembro

Andando pela orla tento resgatar histórias vividas.

Tento reproduzi-las.

Inesperadamente mergulho em sonhos.

Cores, amores,

mistérios, restos...

Risadas, poesias,

entregas, encontros,

despedidas e tréguas.

Mal vividas ou mal digeridas.

O passado me afugenta com um laço.

É...e eu que só queria um pedaço.

O sino da igreja toca pra me lembrar que existe o tempo.

E eu achando que estava vivendo o momento.

Agora lembro.

Doce ilusão. Doce setembro.