segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Caro comunista



Caro cidadão comunista,
Creio.
Conforta-se com o conto e confunde-se.
Cai em contradição.
Casa–se com colega consumista, e a
carapuça compra o coração.
Converte- se.
Caralho...
Cale-se!
Cria correntes,
cerca, circula, e a
criança cirandeia no céu.
Controlado constantemente,
Cúmplice, conivente...
Cadê a consciência?
Chega!
Caminha, companheiro, á casa...
Cresce cá a cobiça de comunhão.
Cheira compulsivamente o cangote...
Com corpos colados em conflito,
consigo capturá-lo com céleres clímaces contínuos.
Compreenda...
Cabeças congruentes
colorem cem casos de cama.

4 comentários:

polegarzinha disse...

olha!! não sabia q vc tinha blog tbm. =)
está muito lindo, thais... como vc!
vou adiconar no meu.
bjsss Lara

Aline Fanju disse...

cem casos de cama...
bj, boneca

Aline Fanju disse...

escreve mais,bonita!
quero mais
besos

tatá. disse...

bunito!
é